• melissa12574

Tradição de Casamento - Conheça 6 rituais e seus significados

Atualizado: Jun 14

Dia 13 de junho é dia de Santo Antônio, Santo Casamenteiro. Resolvemos falar sobre esse e outros símbolos que rondam as tradições dos casamentos ;)



Tanto para os casais quanto para os familiares e amigos, a celebração de casamento é um momento especial e marcante. Todos prezamos muito pela reunião de pessoas queridas e pelo culto à uma história, então, por si só, o casamento já é uma tradição antiga e repleta de simbolismo.

Mas lendas, simpatias e rituais sempre permearam essa festa, deixando-a ainda mais cheia de vida e mexendo com os sentimentos de todos os envolvidos.


Alguns rituais específicos são muito presentes ainda hoje...Fazem parte de quase todos esses eventos, quer ver?


Com que cor a maior parte das noivas se veste? Branco.

O que se joga nos noivos na saída da cerimônia? Arroz.

O que se troca, materialmente, no altar? Alianças.


Jogar o buquê, brindar entrelaçando os braços, costurar os nomes das amigas na barra do vestido, ter padrinhos, entregar medalhas de Sto. Antônio... Todos esses rituais tornam as festas mais divertidas, mais “coletivas” (mostra que quem está ali faz parte de fato da sua vida), criam boas memórias e despertam sentimentos de gratidão e de devoção, de entrega.


É tudo que prezamos em um dia tão importante, não é?


Mas vai além! Essas tradições já enraizadas em nossos eventos que nos divertem e nos emocionam são carregadas de significado e hoje queremos contar um pouquinho de algumas dessas histórias para você ;)


Confere aqui:


Vestido Branco

Nos últimos tempos, muito mais associado à pureza, inocência e castidade (essencialmente pela Igreja) há indícios de que a cor branca tem motivos anteriores para ter se consolidado com as noivas.

Especula-se que a coroação de Napoleão Bonaparte tenha dado um status diferente para esse tom, já que foi a cor escolhida para confeccionar os trajes que ele e a esposa usariam nessa cerimônia.

Assim como o casamento de 3 rainhas: A rainha da Escócia (séc. XVI), que teria se vestido de branco em seu casamento para homenagear sua família materna, cujo o brasão levava essa cor; a rainha da França (séc. XVII) que ousou usar branco e um decote quadrado em uma época em que roupas escuras e fechadas até o pescoço eram o habitual (e podemos dizer “adequado”) para moças; e a rainha da Inglaterra (séc. XIX), que ficou conhecida por ser a primeira a se casar por amor e não por imposição da família pelos interesses políticos/territoriais e optou por usar branco e um véu, dando a partir daí uma conotação romântica à vestimenta.


Aliança


Também cheia de simbolismo, nossa representante material desse “acordo” de amor, fidelidade e cumplicidade teve seus primeiros registros nas civilizações egípcia e hindu.

O círculo representava para eles a eternidade, algo que não se pode ver começo ou fim.

Os romanos (depois de dominarem o território egípcio) aderiram esse costume utilizando sempre o anel no 4º dedo da mão esquerda. Eles acreditavam que ali passava uma veia ligada diretamente ao coração (vena amoris – veia do amor).

Ao longo do tempo, em diferentes regiões, esse elo material e espiritual representava um COMPROMISSO. Ele podia ser de amor ou posse, era um lembrete diário ou um aviso como “estar prometendo algo à alguém” ou “alguém que foi prometido à outra pessoa”.

Existe também a história chinesa atribuída às alianças, que é bem famosa. Para eles, cada dedo de nossas mãos representa um membro da família: O polegar são os pais; o indicador os irmãos; o dedo médio somos nós mesmos; o anelar representa o companheiro e o mindinho os filhos. Pela parábola eles explicam que, se unirmos nossas 2 mãos espalmadas e dobrarmos nossos dedos médios (os do meio), baixando-os para dentro , todos os nossos dedos são capazes de se separar, menos o anelar!

Isso significa que essa união é, de fato, um “sim” para a vida à 2 pela eternidade ;)


Jogar o Buquê da Noiva


A hora do buquê é uma das mais divertidas da festa. Acredita-se que essa tradição vinda da Idade Média surgiu de 2 fatores:

Noivas eram fonte de energia positiva, transmitiam bom agouro para os convidados. Então as convidadas solteiras tinham o costume de levar um pedaço do vestido da noiva como um “amuleto da sorte” para também encontrarem um amor.

Além disso há a teoria de que no caminho da igreja, os convidados e moradores dos vilarejos iam entregando ervas, folhagens e flores à noiva, como forma de desejar prosperidade, alegria e amor para o casamento; então ao chegar na cerimonia, havia um belo e recheado buquê em suas mãos.

Com o tempo esses 2 rituais se fundiram e se transformaram do que vemos hoje: O compartilhamento de bons desejos para quem carrega um pedacinho da festa consigo (sem estragar nenhum traje maravilhoso e caríssimo, rs) ♥


Chuva de Arroz nos Noivos


Hoje adaptada também com bolhas de sabão, velas sparklers, pétalas de rosas, confetes, etc. a chuva de arroz tem origem chinesa e já é tradição há mais de 4 mil anos.

Lá, o arroz sempre foi símbolo de prosperidade. De acordo com a lenda, um mandarim encomendou uma “chuva de arroz” para ser jogada em sua filha após a cerimônia, demonstrando sua riqueza e também seu desejo de bons frutos para o casal...Foi a partir daí que o gesto virou moda em todo o mundo. Mas na Índia a tradição também sempre foi muito forte e representa fertilidade e harmonia!


Nome na Barra do Vestido


Assim como o jogar o buquê, escrever o nome das amigas solteiras na barra do vestido de noiva é tentar a sorte para encontrar um grande amor e atrair boas energias para que surjam futuros casamentos por aí...

Suspeita-se que a tradição começou na Turquia, quando as mulheres escreviam seus nomes nas solas dos sapatos das noivas e examinavam os que não tinham sido apagados ao final da festa. Ter o nome ainda ali, era garantia de que o próximo casamento seria o seu!

Em terras brasileiras, fala-se muito dessa tradição ter sido adaptada na Bahia, pelos vestidos rodados e volumosos das celebrações.

Nesse ritual, costuma-se usar fitinhas azuis ou vermelhas, o ideal é o nome seja escrito na cor preta. Há quem cole com fita adesiva e quem costure à mão, reza a lenda que o certo é que seja posicionado na frente do vestido! Mas o que interessa mesmo é a intenção, não é?


Medalhas de Santo Antônio


Também com o intuito de dar uma forcinha para os solteiros ou namorados, as tradições com Santo Antônio, o padroeiro dos românticos, são inúmeras!

Tem oração para Santo Antônio, buquê de Santo Antônio, garrafinha de água com Santo Antônio e a mais aderida: Medalhinha de Santo Antônio enfeitando os deliciosos bem-casados - ou outras lembrancinhas.

Algumas histórias são relacionadas à interseção para esse santo...Uns dizem que, em vida, ele ajudou financeiramente algumas moças mais humildes à completarem o dinheiro faltante para seus dotes e enxovais.

Outros contam que quando uma mulher percebeu que sua família não teria o dote para que ela se casasse, ajoelhou aos pés da imagem e pediu ajuda para o santo; como um milagre ele teria aparecido e entregue um papel orientando-a a procurar um comerciante que lhe entregaria a quantidade de moedas equivalente ao peso do papel.

Ela encontrou o homem certo, entregou o bilhete e ele desdenhou, acreditando que o peso fosse praticamente nulo. Mas para a surpresa dos presentes, foram necessários 400 escudos de prata para que a balança atingisse o equilíbrio! Foi quando o comerciante lembrou que havia prometido aquele mesmo valor para Santo Antônio e nunca tinha cumprido com sua promessa. Santo Antônio cobrou sua divida ajudando a moça a se casar *-*



São muitas as histórias e legados que o passado nos deixou para termos uma comemoração cheia de significado. Gostou de conhecer um pouquinho mais sobre elas?


Quais são as tradições que não podem faltar no seu dia?


Conta pra gente e vamos fazer seu casamento uma noite linda, repleta de simbolismos românticos e muitas boas vibrações. Podemos usar todos esses rituais para fazer do seu evento uma experiência ainda mais completa, emocionante e divertida!